Archive for the Releases Category
24 nov

Rodrigo Piva em Buenos Aires

Posted by piva Categories: Releases

No próximo dia 12 de dezembro, às 21h30, Rodrigo Piva apresenta no Notorious (Buenos Aires), dentro do projeto “Club Brasil”, o espetáculo Na Garganta do Artista, título do seu mais recente álbum. O show contará com a participação da cantora argentina Helena Cullen e dos instrumentistas Rogério Piva (guitarra e bandolim), Broder Bastos (baixo) e Fabián Miodownik (bateria).

O show no Notorious faz parte do ciclo “Club Brasil Presenta”, criado especialmente para a divulgação da música brasileira em Buenos Aires. Trata-se de um espaço aberto tanto a artistas brasileiros quanto aos argentinos que fazem música brasileira. Pelo “Club Brasil” já passaram nomes como Chico Saraiva, Júlio Caldas, Rogério Botter Maio, Ana Paula da Silva, Rogério Souza, Celio Balona, Tatiana Cobett e Marco Liva.

No repertório, destaque para os sambas, bossas e choros de autoria de Rodrigo, que fazem parte de seu novo trabalho e de seus dois primeiros álbuns – Contraste Brasil e Menina de Floripa. Também serão apresentados alguns clássicos da música popular brasileira e de seu avô Túlio Piva, famoso compositor gaúcho, autor de sucessos como Pandeiro de Prata e Tem que Ter Mulata.

El 12 de diciembre, 21:30hs, el cantante y compositor brasileño Rodrigo Piva presenta en Notorious, dentro del proyecto “Club Brasil”, el espectáculo Na Garganta do Artista, título de su disco más reciente. La presentación contará con la participación de la cantante Helena Cullen y de los músicos Rogério Piva (guitarra y mandolina), Broder Bastos (bajo) y Fabián Miodownik (batería).
En el repertorio, música brasileña, sobre todo, samba, bossa nova, baião y los “chorinhos” de Rodrigo, que hacen parte de su nuevo trabajo, y de sus dos primeros discos, CDs Contraste Brasil y Menina de Floripa. También se presentan algunos clásicos de la MPB y de su abuelo Túlio Piva, famoso compositor brasileño, autor de éxitos como Pandeiro de Prata y Tem que Ter Mulata.
 
Share on Facebook

(por Gerdal José de Paula)

“Era uma noite tão clara/lua cheia na sala/e eu saí por aí/te procurando com calma/nas esquinas da alma/quando eu me perdi/a tua ausência me invade/me parte pela metade/e a metade que resta/ainda chama por ti…”

Porto-alegrense há muito fixado na capital catarinense, onde, em paralelo à lida musical, desenvolve a lida como analista jurídico do Tribunal Regional Eleitoral, o cantor, compositor e violonista Rodrigo Piva (foto abaixo) vem trabalhando, na praça sulista, o seu terceiro e ótimo disco autoral, “Na Garganta do Artista” (capa também abaixo). Aliás, não é de estranhar que ele faça música de qualidade com letra de expressão – como no abolerado de “Noite Clara”, dos versos em epígrafe -, pois é um sujeito que soube herdar tal predicado do avô ilustre, um dos maiores compositores gaúchos, Tulio Piva, autor de um grande sucesso gravado, em 1958, por Germano Mathias, o samba-batucada “Tem Que Ter Mulata” (“O samba pra ser samba brasileiro/tem que ter pandeiro, tem que ter pandeiro/o samba pra ser samba, na batata/tem que ter mulata, tem que ter mulata…” Gaúcho da fronteira (com a Argentina, nascido em Santiago do Boqueirão, também cidade natal do escritor Caio Fernando Abreu), Tulio fez cartaz na capital do seu estado como sambista e lá, além de drogaria, foi proprietário do bar Gente da Noite (também título de outro de seus sucessos), referência boêmia por dez anos e reduto acolhedor de Vinicius, Caymmi e outros nomes famosos egressos do eixo Rio-São Paulo que por lá estivesssem. Nesse bar, quando adolescente, Rodrigo, juntamente com Rogério Piva, seu irmão e exímio bandolinista, iniciou carreira acompanhando Tulio e, com ele, apresentando-se ainda em atrações de rádio e tevê e shows pelo interior gaúcho.

Com o talento no DNA, Rodrigo, em princípios dos anos 80, já “de maior”, partiu para rumos próprios na carreira, participando, vitorioso, de festivais universitários e tocando com Rogério em um grupo de choro, Vibrações, de que ainda tomaram parte grandes instrumentistas do gênero na cena de Porto Alegre: Lúcio do Cavaquinho e Jessé Silva. Nos albores da década seguinte, seduzido pela magia de Florianópolis, passa a viver, após aprovação em concurso público para o exercício do Direito, nessa urbe insular, onde, sem prescindir da cátedra musical, grava os seus discos, sendo os dois primeiros “Contraste Brasil”, de 1996, e “Menina de Floripa”, de 2002, este contando com a participação de uma “manezinha” (nativa da ilha) muito especial, sua filha, Cássia, então com cinco anos, na faixa-título (ouvida no terceiro “link” abaixo).

Os dois primeiros “links” são do disco atual – a bossa “Você Já Foi a Floripa?” e o samba-exaltação ao samba “Na Garganta do Artista”, respectivamente -, ao passo que, no quarto, Rodrigo é visto em cena de recente show de lançamento, no mês passado, no Teatro de Câmara Tulio Piva, ao lado de outro porto-alegrense, Nélson Coelho de Castro – destacado compositor em seu estado, no qual foi, em 1979, o primeiro artista a lançar disco independente -, ambos cantando “Tem Que Ter Mulata”.

No “link” final, uma entrevista com Rodrigo Piva em rádio catarinense, sobre o novo CD, e participação especial do pianista Cristóvão Bastos.

Pós-escrito: destaco ainda nestas linhas sobre o novo disco do amigo Rodrigo Piva, a participação brilhante e especialíssima, em algumas faixas, do acordeonista Alessandro Kramer, o Bebê. Nascido em Vacaria, pude conhecê-lo – e, mais adiante, vê-lo tocando – no Lapinha, no ano passado, em noite em que, a uma das mesas do bar, estava acompanhado de outro virtuose, o passo-fundense Yamandu Costa. Para sorte e satisfação dos cariocas, dois gaúchos de toque primoroso que moram no Rio.

 

 

 

 

 

http://www.youtube.com/watch?v=fjli4l-Pw00&feature=related (“Você Já Foi a Floripa?”)

http://www.youtube.com/watch?v=n4xkOjgLpWE&NR=1 (“Na Garganta do Artista”)

http://www.youtube.com/watch?v=Xo37VHHyeAA (“Menina de Floripa”)

http://www.youtube.com/watch?v=btJ-GZYS8h8 (“Tem Que Ter Mulata”)

http://www.youtube.com/watch?v=hLUIu53xJyc&feature=related (entrevista com Rodrigo Piva e Cristóvão Bastos – 14 min)

 

Share on Facebook

Show no Teatro de Câmara Túlio Piva marca o lançamento do terceiro álbum de Rodrigo Piva, Na Garganta do Artista

O cantor e compositor Rodrigo Piva lança em Porto Alegre, no Teatro de Câmara Túlio Piva (Rua da República, 575), no dia 16 de junho, às 20h, o seu terceiro trabalho, Na Garganta do Artista. Depois do sucesso da estreia em Florianópolis, é a vez de Rodrigo apresentar na capital gaúcha um repertório de samba, choro, xote, bossa nova e muito mais. No palco, uma banda formada por uma mescla de músicos radicados em Florianópolis – Luiz Sebastião (direção musical e violão 7), Rogério Piva (bandolim e guitarra), Carlos Ribeiro Junior (baixo) e Alexandre Damaria (percussão) – e em Porto Alegre – o companheiro de antigos sons e tons Giovane Berti (percussão) e Luiz Mauro Filho (teclado). Como convidado especial, Nelson Coelho de Castro, que já participou anteriormente, ao lado de Rodrigo, de show/homenagem ao compositor Túlio Piva.

No repertório, além das 12 novas composições do novo CD e de duas canções do álbum anterior, Menina de Floripa (2002), Rodrigo fará uma releitura dos maiores sucessos de seu avô Túlio PivaGente da Noite, Pandeiro de Prata e Tem Que Ter Mulata. À Ilha que o acolheu há 20 anos, o compositor faz uma linda homenagem na bossa Você já foi à Floripa?, em que descreve as maravilhas e canta: “Quem nunca foi a Floripa, não sabe onde fica o meu coração…”. Uma boa dose de humor também está presente em seu trabalho, que pode ser conferida no disco e no show, no samba Não Adianta Pedir, em que ele brinca com a Lei Seca, e no Tango do Pelego, no qual a figura “homenageada” é o fura-greve.

O talento do irmão Rogério Piva no bandolim pode ser conferido no Samba do Segundo Andar, que reverencia mestres da MPB como Noel, Jacob, Tom Jobim e Pixinguinha. Mas é em Choro Guia que as cordas de Rogério se mostram inigualáveis. A música Na Garganta do Artista também homenageia outros compositores com os versos: “Samba de Ary, Tom e Vinicius no balanço do passista… equilibrista… Samba, sobrevive na garganta do artista…”. Nessa canção, que é a faixa-título do álbum e que dá nome ao show, o violão de 7 cordas de Luiz Sebastião (co-produtor do CD) faz a diferença, com forte influência no estilo consagrado por Paulinho da Viola, João Bosco e Aldir Blanc.

Rodrigo tem ótimas expectativas para o show de Porto Alegre. “Vou reunir quatro excelentes músicos que gravaram o CD em Florianópolis com o talento dos gaúchos  Luiz Mauro Filho, no teclado, e a percussão de Giovani Berti, somados à musicalidade e a poesia de Nelson Coelho de Castro ”. Com produção de Márcio Gobatto, da Odara Produções, o show contará, ainda, com ótimos recursos tecnológicos de áudio e vídeo.

O compositor quer que sua música alcance outras paragens. Se depender do crítico musical Juarez Fonseca, o neto do Túlio já pode arrumar as malas. “A grande novidade que sai do cérebro e da garganta de Rodrigo é que ele é hoje um compositor muito mais brasileiro do que apenas gaúcho ou catarinense”, disse o crítico. Pensando em atingir outros públicos, o cantor e compositor disponibilizou gratuitamente, em seu site www.rodrigopiva.com.br, algumas músicas para download. Vá lá, leia, escute e depois corra para comprar o ingresso.

SERVIÇO
O quê:  Show de lançamento do CD Na Garganta do Artista
Quando: dia 16 de junho
Horário: 20h
Onde: Teatro de Câmara Túlio Piva – Porto Alegre/RS
Quanto: R$ 20,00 (inteira) /  R$ 15,00 (Clube do Assinante)
CD: R$ 25,00

 

Share on Facebook
18 maio

Um compositor brasileiro

Posted by piva Categories: Clipagem, Releases

Juarez Fonseca - jornalista e crítico musical

por Juarez Fonseca

Se Rodrigo Piva fizesse um disco inteiro só com sambas, ninguém estranharia. Afinal, ele tem o samba em seu DNA, não é ruim da cabeça e nem doente do pé. Seu novo CD, Na Garganta do Artista, tem sambas de várias naturezas, desde o espírito tradicional em Ri de Brasileiro, a bossa em Você Já Foi à Floripa?, o gênero tipo pagode mais atual em Não Adianta Pedir. Também tem boas doses de choro em Novos Caminhos e em Choro Guia, ambos com aquele sabor típico dado pelo conjunto regional de violões, bandolim, cavaquinho e pandeiro. Mas o ouvinte só vai saber disso depois de passar por Canção do Vento, o afoxé que abre o disco, e logo a romântica Noite Clara, que Rodrigo mesmo define como um “quase bolero”. Aí sim, vêm os sambas e os choros, mas antes do fim mais duas surpresas: Xote da Saudade, uma mistura de xote gaúcho e xote nordestino, e o Tango do Pelego, perfeito exercício de humor e deboche sobre o tipo bajulador e puxa-saco que todos conhecemos – e com dois argentinos de verdade tocando violão e bandoneon. Em Florianópolis, onde vive há 20 anos, ele recrutou grandes músicos para ajudá-lo nas gravações. Como era conhecido Túlio Piva, o avô de Rodrigo? Como sambista. Pois nascido no interior do Rio Grande do Sul, criado ouvindo rádios portenhas, Túlio também compunha xotes (ou chotes) e tangos! Então, que ninguém estranhe tangos e xotes entre sambas e choros. A grande novidade que sai do cérebro e da garganta de Rodrigo é que ele é hoje um compositor muito mais brasileiro do que apenas gaúcho ou catarinense.

 

Share on Facebook
31 mar

Rodrigo Piva – Na Garganta do Artista

Posted by piva Categories: noticias, Releases

O cantor e compositor mostra sua brasilidade no show que marca o lançamento de seu terceiro CD, Na Garganta do Artista. O pianista, arranjador e compositor Cristovão Bastos é o convidado especial

Divulgação do show de Rodrigo Piva

O cantor e compositor Rodrigo Piva lança em Florianópolis, no TAC (Teatro Álvaro de Carvalho), dia 14 de abril, às 20h, seu terceiro trabalho Na Garganta do Artista, com samba, choro, xote, bossa nova e muito mais. Para acompanhar Rodrigo em suas 12 composições, ninguém menos do que o premiado arranjador, pianista e compositor Cristovão Bastos, que já fez parcerias com Chico Buarque, Tom Jobim, Nana Caymmi, entre outras expressões da Música Popular Brasileira.

No espetáculo ainda as vozes femininas de Juliana Moura e Izabela Soares, e o respaldo de músicos como Luiz Sebastião (violão de 7 cordas e direção musical), Rogério Piva (bandolim e guitarra), Carlos Ribeiro Júnior (baixo elétrico e acústico), Chico Camargo (cavaquinho), Mauro Borghezan (bateria) e Eduardo da Costa, Eduardo Seara  e Alexandre Damaria (todos na percussão).
 A produção é de Nani Lobo, da Orth Produções, que traz efeitos inovadores de som e imagem ao palco do TAC.

Rodrigo torce para que chegue logo a hora de mostrar seu novo trabalho.

“Nada se compara a uma apresentação ao vivo em que, durante todo o tempo, há uma profunda interação entre o artista e a platéia. Isso faz toda a diferença”, confessa ele, que aos 12 anos já acompanhava o avô  sambista Tulio Piva em shows e festivais.

O repertório do show Na Garganta do Artista terá um resgate/ homenagem do samba Tem Que Ter Mulata, de Túlio Piva, canção que ganhou popularidade na voz de Elza Soares, em 1967, além das 12 músicas do novo CD e três do disco anterior Menina de Floripa (2002). Rodrigo quer que sua música alcance outras paragens. Para isso vai disponibilizar gratuitamente em seu site (www.rodrigopiva.com.br) algumas músicas para download.

Geograficamente ele também se mostra mais influenciado por outros ritmos, transcendendo as referências da música popular gaúcha de Nei Lisboa, Kleiton e Kledir, Nelson Coelho de Castro, e o estilo do avô. Um bom exemplo é Dans Tes Yeux, uma bossa escrita em francês, que ganha no show e no disco a voz de Izabela Soares. Juliana Moura solta o gogó em Canto das Águas, do CD Menina Floripa.

Já o talento do irmão Rogério Piva no bandolim pode ser conferido no Samba do Segundo Andar, que reverencia mestres da MPB como Noel, Jacob, Tom e Pixinguinha. Destaque também para Choro Guia, onde a sonoridade das cordas de Rogério se mostra inigualável, em total harmonia.

Rodrigo faz homenagem também a Ary Barroso, Vinicius de Moraes e outros mestres com os versos “samba de Ary, Tom e Vinicius no balanço do passista… equilibrista…samba, sobrevive na garganta do artista…”. Nessa canção, que é a faixa-título do álbum e que dá nome ao show, o violão de 7 cordas de Luiz Sebastião (co-produtor do CD) faz a diferença, com forte influência no estilo consagrado por Paulinho da Viola, João Bosco e Aldir Blanc.

Foi em Florianópolis, ou Floripa, como gosta de chamar, que Rodrigo Piva encontrou seu caminho musical, influenciado pelas belezas naturais da Ilha. E é para este pedaço de terra perdido no mar dos versos de Zininho que ele compôs a bossa Você já foi a Floripa?:

Rodrigo Piva com seu novo cd, Na Garganta do Artista

Rodrigo Piva com seu novo CD, Na Garganta do Artista

 

“Quem nunca foi a Floripa não sabe onde fica o meu coração…”.
Que tal ir ao TAC para conferir?


Share on Facebook
Ilustração do CD

Ilustração da capa do CD, de autoria do artista plástico paulistano Roberto Bieto

O cantor e compositor Rodrigo Piva traz em seu terceiro álbum, Na Garganta do Artista, uma música genuinamente brasileira, estruturada pelo samba, choro e bossa nova, com pitadas de xote e tango. No repertório, 12 canções de sua autoria, arranjadas  em parceria com o violonista  Luiz Sebastião Juttel, que também assina a produção do CD.

A música que dá nome ao disco, Na Garganta do Artista, comprova a vertente sambista do compositor: Samba, de Ary, Tom e Vinicius no balanço do passista… equilibrista… Samba, sobrevive na garganta do artista... É nesta faixa que Rodrigo reafirma a brasilidade de seu trabalho, com o bom e velho samba, que aprendeu a admirar ao lado do avô Túlio Piva – compositor de sucessos como Tem Que Ter Mulata, Gente da Noite e Pandeiro de Prata, eternizados nas vozes de Elis Regina, Elza Soares, Demônios da Garoa, Jair Rodrigues e outros.

O humor é outra marca deste álbum. Está presente na música Não Adianta Pedir, em que ele brinca com a Lei Seca, que transformou (ou tenta transformar) os costumes do brasileiro em relação à bebida; e no Tango do Pelego, no qual a figura homenageada é o “fura-greve”, mais conhecido por “pelego”. Nesta gravação, Rodrigo contou com a participação de dois legítimos tangueiros argentinos: Pablo Grego (bandoneon) e Pablo Lazarte (violão).

Grandes compositores como Noel Rosa, Jacob do Bandolim, Tom Jobim e Pixinguinha sempre foram a principal fonte de inspiração de Rodrigo Piva. E isso é externado no Samba no Segundo Andar, quando ele dialoga com os mestres da MPB:  Eu perguntei ao Noel qual é o tom? E ele me disse: Jobim! E a parceria no céu começou, um samba feito pra mim… Nessa faixa, o compositor canta ao som do inconfundível bandolim do irmão Rogério Piva,  que se harmoniza perfeitamente à concepção do arranjo. Os irmãos também entram em sintonia de voz e instrumento em Choro Guia, dedicado ao choro brasileiro e seus instrumentistas.

À cidade que o acolheu há 20 anos, ele faz uma linda homenagem na bossa Você Já Foi a Floripa? Nessa música, Rodrigo descreve as belezas da Ilha e canta: Quem nunca foi à Floripa, não sabe onde fica o meu coração… Merece destaque, ainda, a canção escrita originalmente em francês, Dans Tes Yeux (faixa 9), na qual o autor divide o vocal com a intérprete catarinense Izabela Soares.

Foi no estúdio Samburá Sonoro, em Florianópolis, que Rodrigo Piva produziu este novo trabalho, que conta com a participação de 15 instrumentistas. Entre eles, Bebê Kramer (acordeon), Luiz Gustavo Zago (piano), Luiz Sebastião (violão de 7 cordas), Carlos Ribeiro Júnior (baixo), Cristian Faig (flauta), Chico Camargo (cavaquinho), Fidel Piñero (flugelhorn), Marco Aurélio (trombone), Eduardo da Costa, Eduardo Seara e Alexandre Damaria (percussão) e Mauro Borghezan (bateria).

“Selecionei músicos que atuam em Santa Catarina como uma maneira de valorizar os excelentes profissionais que temos por aqui”, destaca Rodrigo. As gravações foram feitas entre janeiro e julho de 2010, viabilizadas pelo incentivo cultural do Edital Elisabete Anderle, promovido pelo Governo do Estado de Santa Catarina.

O projeto gráfico do CD, a cargo do designer Rodrigo Poeta, segue o mesmo padrão de qualidade. Para esse trabalho, foram utilizadas duas belíssimas telas do artista plástico e grafiteiro paulistano Roberto Bieto (Roda de Bamba e O Samba Nunca Foi de Arruaça).

Outras informações no site: www.rodrigopiva.com.br

 

Share on Facebook