Archive for the Destaque Category
17 jun

O show em Porto Alegre

Posted by piva Categories: Destaque, noticias

Casa cheia, emoção correndo solta no palco e na plateia… assim foi o show de lançamento do CD Na Garganta do Artista no Teatro de Câmara Túlio Piva, em Porto Alegre, no dia 16 de junho. Com uma super banda formada por gaúchos e catarinenses – Luiz Sebastião 7 cordas, Rogério Piva, Carlos Ribeiro Júnior, Luiz Mauro Filho, Alexandre Damaria e Giovane Berti, e a participação especialíssima do cantor e compositor Nelson Coelho de Castro, Rodrigo  apresentou as canções que integram seu mais recente trabalho.  Como não poderia faltar, cantou os maiores sucessos de seu avô Túlio Piva: Tem Que Ter Mulata, Gente da Noite e Pandeiro de Prata.

Share on Facebook
24 maio

Rodrigo Piva lança novo CD em Porto Alegre

Posted by piva Categories: Destaque, noticias

O cantor e compositor Rodrigo Piva lança em Porto Alegre, no Teatro de Câmara Túlio Piva (Rua da República, 575), no dia 16 de junho, às 20h, o seu terceiro trabalho, Na Garganta do Artista. Depois do sucesso da estreia em Florianópolis, é a vez de Rodrigo apresentar na capital gaúcha um repertório de samba, choro, xote, bossa nova e muito mais. No palco, uma banda formada por uma mescla de músicos radicados em Florianópolis – Luiz Sebastião (direção musical e violão 7), Rogério Piva (bandolim e guitarra), Carlos Ribeiro Junior (baixo) e Alexandre Damaria (percussão) – e em Porto Alegre – o companheiro de antigos sons e tons Giovane Berti (percussão) e Luiz Mauro Filho (teclado). Como convidado especial, Nelson Coelho de Castro, que já participou anteriormente, ao lado de Rodrigo, de show/homenagem ao compositor Túlio Piva.

Leia a íntegra da notícia

Share on Facebook
18 maio

Um compositor brasileiro

Posted by piva Categories: Destaque, noticias
por Juarez Fonseca*
Imagem do encarte do CD. Tela de Roberto Bieto.

Se Rodrigo Piva fizesse um disco inteiro só com sambas, ninguém estranharia. Afinal, ele tem o samba em seu DNA, não é ruim da cabeça e nem doente do pé. Seu novo CD, Na Garganta do Artista, tem sambas de várias naturezas, desde o espírito tradicional em Ri de Brasileiro, a bossa em Você Já Foi à Floripa?, o gênero tipo pagode mais atual em Não Adianta Pedir. Também tem boas doses de choro em Novos Caminhos e em Choro Guia, ambos com aquele sabor típico dado pelo conjunto regional de violões, bandolim, cavaquinho e pandeiro. Mas o ouvinte só vai saber disso depois de passar porCanção do Vento, o afoxé que abre o disco, e logo a romântica Noite Clara, que Rodrigo mesmo define como um “quase bolero”. Aí sim, vêm os sambas e os choros, mas antes do fim mais duas surpresas: Xote da Saudade, uma mistura de xote gaúcho e xote nordestino, e o Tango do Pelego, perfeito exercício de humor e deboche sobre o tipo bajulador e puxa-saco que todos conhecemos – e com dois argentinos de verdade tocando violão e bandoneon. Em Florianópolis, onde vive há 20 anos, ele recrutou grandes músicos para ajudá-lo nas gravações. Como era conhecido Túlio Piva, o avô de Rodrigo? Como sambista. Pois nascido no interior do Rio Grande do Sul, criado ouvindo rádios portenhas, Túlio também compunha xotes (ou chotes) e tangos! Então, que ninguém estranhe tangos e xotes entre sambas e choros. A grande novidade que sai do cérebro e da garganta de Rodrigo é que ele é hoje um compositor muito mais brasileiro do que apenas gaúcho ou catarinense.

*  jornalista e colunista de música no jornal ABC Domingo (Novo Hamburgo/RS)

 

Share on Facebook
15 abr

O show no TAC

x
Posted by piva Categories: Destaque, noticias

Uma noite animada, casa cheia. Muito samba e amigos reunidos, plateia cantando junto com Rodrigo Piva. Este foi o clima do lançamento do disco, no TAC, em Florianópolis, na noite de ontem, 14 de abril.

Fotos: Bia Boleman

 

 

Fotos: Pablo Corti

Foto de Pablo Corti

 

 

 

Share on Facebook
Ilustração do CD

Ilustração da capa do CD, de autoria do artista plástico paulistano Roberto Bieto

O cantor e compositor Rodrigo Piva traz em seu terceiro álbum, Na Garganta do Artista, uma música genuinamente brasileira, estruturada pelo samba, choro e bossa nova, com pitadas de xote e tango. No repertório, 12 canções de sua autoria, arranjadas  em parceria com o violonista  Luiz Sebastião Juttel, que também assina a produção do CD.

A música que dá nome ao disco, Na Garganta do Artista, comprova a vertente sambista do compositor: Samba, de Ary, Tom e Vinicius no balanço do passista… equilibrista… Samba, sobrevive na garganta do artista... É nesta faixa que Rodrigo reafirma a brasilidade de seu trabalho, com o bom e velho samba, que aprendeu a admirar ao lado do avô Túlio Piva – compositor de sucessos como Tem Que Ter Mulata, Gente da Noite e Pandeiro de Prata, eternizados nas vozes de Elis Regina, Elza Soares, Demônios da Garoa, Jair Rodrigues e outros.

O humor é outra marca deste álbum. Está presente na música Não Adianta Pedir, em que ele brinca com a Lei Seca, que transformou (ou tenta transformar) os costumes do brasileiro em relação à bebida; e no Tango do Pelego, no qual a figura homenageada é o “fura-greve”, mais conhecido por “pelego”. Nesta gravação, Rodrigo contou com a participação de dois legítimos tangueiros argentinos: Pablo Grego (bandoneon) e Pablo Lazarte (violão).

Grandes compositores como Noel Rosa, Jacob do Bandolim, Tom Jobim e Pixinguinha sempre foram a principal fonte de inspiração de Rodrigo Piva. E isso é externado no Samba no Segundo Andar, quando ele dialoga com os mestres da MPB:  Eu perguntei ao Noel qual é o tom? E ele me disse: Jobim! E a parceria no céu começou, um samba feito pra mim… Nessa faixa, o compositor canta ao som do inconfundível bandolim do irmão Rogério Piva,  que se harmoniza perfeitamente à concepção do arranjo. Os irmãos também entram em sintonia de voz e instrumento em Choro Guia, dedicado ao choro brasileiro e seus instrumentistas.

À cidade que o acolheu há 20 anos, ele faz uma linda homenagem na bossa Você Já Foi a Floripa? Nessa música, Rodrigo descreve as belezas da Ilha e canta: Quem nunca foi à Floripa, não sabe onde fica o meu coração… Merece destaque, ainda, a canção escrita originalmente em francês, Dans Tes Yeux (faixa 9), na qual o autor divide o vocal com a intérprete catarinense Izabela Soares.

Foi no estúdio Samburá Sonoro, em Florianópolis, que Rodrigo Piva produziu este novo trabalho, que conta com a participação de 15 instrumentistas. Entre eles, Bebê Kramer (acordeon), Luiz Gustavo Zago (piano), Luiz Sebastião (violão de 7 cordas), Carlos Ribeiro Júnior (baixo), Cristian Faig (flauta), Chico Camargo (cavaquinho), Fidel Piñero (flugelhorn), Marco Aurélio (trombone), Eduardo da Costa, Eduardo Seara e Alexandre Damaria (percussão) e Mauro Borghezan (bateria).

“Selecionei músicos que atuam em Santa Catarina como uma maneira de valorizar os excelentes profissionais que temos por aqui”, destaca Rodrigo. As gravações foram feitas entre janeiro e julho de 2010, viabilizadas pelo incentivo cultural do Edital Elisabete Anderle, promovido pelo Governo do Estado de Santa Catarina.

O projeto gráfico do CD, a cargo do designer Rodrigo Poeta, segue o mesmo padrão de qualidade. Para esse trabalho, foram utilizadas duas belíssimas telas do artista plástico e grafiteiro paulistano Roberto Bieto (Roda de Bamba e O Samba Nunca Foi de Arruaça).

Outras informações no site: www.rodrigopiva.com.br

 

Share on Facebook
31 mar

Entrevista com Rodrigo Piva

Posted by piva Categories: Destaque, noticias

O compositor e cantor Rodrigo Piva lança seu terceiro álbum Na Garganta do Artista, no dia 14 de abril no TAC (Teatro Álvaro de Carvalho), às 20 horas, e vai contar com a participação especial do músico e arranjador Cristovão Bastos, consagrado em parcerias com Chico Buarque, Paulinho da Viola, Nana Caymmi, Gal Costa, Edu Lobo, entre outros.

O show vai mostrar a brasilidade do CD, temperado com samba, choro, xote e bossa nova e respaldado por ótimos músicos catarinenses. Entre eles Luiz Sebastião (violão 7 cordas), Rogério Piva (bandolim e guitarra), Carlos Ribeiro Junior (baixo elétrico e acústico), Chico Camargo (cavaquinho), Eduardo da Costa, Eduardo Seara e  Alexandre Damaria (percussão).

Nesta conversa com a jornalista Cibele Godoy, Piva avisa que encontrou em Florianópolis seu caminho musical próprio: aquele que o leva à universalidade de seu som.

O que muda neste terceiro disco?

Agora consigo entender melhor meu trabalho e o rumo que escolhi na minha música. Me sinto mais maduro como compositor. Sem contar que este disco é muito brasileiro, em que não se vê mais a música popular gaúcha como se via nos meus trabalhos anteriores. Outro diferencial é que neste disco eu apresento 12 composições próprias inéditas, sem parceiros, o que garante a ele um forte caráter autoral.

Como é o processo de compor? Vem tudo de uma vez só?

O processo de composição não tem lógica, nem regra. É 100% inspiração, que pode nascer de um estado de espírito, de um acontecimento, de uma lembrança, de uma saudade. Às vezes ele é quase mediúnico, com a letra e a música aparecendo juntas, prontas, uma completando a outra. Para mim, é assim que funciona. Não adianta forçar a barra, que a inspiração não vem. É preciso ter paciência e um pequeno gravador por perto, para registrar as ideias musicais que surgem a qualquer momento.

Quantas músicas no disco e no show?

São 12 músicas no CD, todas de minha autoria. No show, vamos apresentar as músicas do álbum e mais algumas surpresas.

Quais as tuas referências musicais na Ilha?

Como toda cidade litorânea, Floripa tem muito samba e choro de qualidade, além de ótimos instrumentistas. A música instrumental sempre me interessou muito, pois comecei a carreira tocando num grupo de choro, chamado Vibrações. Essas influências estão muito presentes neste novo trabalho.

Entrevista Rodrigo Piva

Rodrigo Piva, músico e compositor, fala de sua vida, carreira e do lançamento do novo CD, Na Garganta do Artista

Como nasceu a bossa que fala de Florianópolis?

A bossa Você já foi a Floripa é exemplo de composição em que a letra e a música chegaram juntas, num final de semana na praia. Nesse caso, o local, perto do mar e da serra, foi fundamental para inspirar o tema da canção.

Você trabalha como funcionário público e é formado em direito, como encontra tempo para que a inspiração venha?

Quando estudante, eu compunha em algumas aulas que não me despertavam tanto entusiasmo. Hoje encontro tempo, à noite, e me inspiro em emoções e fatos cotidianos. Gosto muito de usar o humor nas minhas letras, então a inspiração acaba vindo.

Quais são as suas referências, além do lendário samba de Túlio Piva?

Eu me influenciei pela MPG (Música Popular Gaúcha), artistas como Kleiton e Kledir, Nei Lisboa. Mas tenho ouvido muito samba, como Roberta Sá. E claro, sempre alguns mestres como Chico Buarque e Paulinho da Viola.

Quais as principais diferenças que encontra entre sua carreira hoje, as dificuldades e desafios com a carreira do seu avô?

Meu avô, Túlio, não estudou música e com poucos acordes fazia coisas incríveis. Eu e meu irmão (Rogério Piva, que participa do CD) estudamos e nos dedicamos à música de outra forma. Sem contar as facilidades que a tecnologia traz, facilitando nosso trabalho.

Túlio Piva vivia a boemia em Porto Alegre, como o bar Gente da Noite, vivia mais da música e da noite. Você acredita que ter uma vida paralela à música dificulta seu trabalho?

Eu gostaria de poder viver só da minha música, mas sabemos as dificuldades que encontramos no caminho. Mas não acho que isso atrapalhe ou reduza minha paixão pela arte.

Share on Facebook
por Duda Hamilton

Ele toca ao lado de grandes nomes da música brasileira, faz arranjos para muitos talentos, é parceiro de outros gênios em canções que encantam até hoje, como Todo Sentimento, com Chico Buarque, gravada em Paris há 30 anos, só piano e voz. Sua canção Raios de Luz, em parceria com Abel Silva, foi gravada porBarbra Streisand e, em 1999, fez a direção musical e arranjos do show e do disco Gal Costa Canta Tom Jobim.  Cristovão Bastos, que é pianista, compositor e arranjador, já acompanhou, pelas suas contas, mais de 100 músicos em 50 anos de profissão.

Ele começou cedinho e sua memória mais remota da música é aos 7 anos, quando viu pela primeira vez um show com acordeom. Virou-se para os pais e pediu: “Quero tocar este instrumento.” Semanas depois freqüentava aulas e aos 15 anos se tornou profissional ao tocar numa boate em Cascadura, no subúrbio do Rio Janeiro. Foi ali também que ele trocou o acordeom pelo piano.

Em palcos e estúdios nacionais e internacionais, Cristovão Bastos acompanha, em shows e discos, Paulo César Pinheiro, Paulinho da Viola, Aldir Blanc, além de Nana Caymmi, Edu Lobo, entre muitos outros. Na década de 1980 viajou com Chico pela Europa onde, segundo ele, mais jogaram futebol do que tocaram. “Eram duas partidas e um show ou quatro e dois shows”, conta de forma divertida.

Cristovão tem personalidade ao tocar e o que o deixa mais gratificado é quando reconhecem seu piano. O CD Bons Encontros, de 1992, com o violonista Marco Pereira, é um ótimo exemplo, pois são músicas de Ary Barroso e Noel Rosa, que ganham uma outra interpretação, sem esquecer a essência brasileira. Este álbum recebeu o Prêmio Sharp de Música Instrumental. Seu primeiro disco solo, Avenida Brasil, também tem esta marca.

Perguntado se prefere palco ou estúdio, disparou:

“Gosto de estar no palco, mas o estúdio é um educador, é uma forma de descobrir erros e vícios”.

Cristovão Bastos

Foto:João Maia

Ao telefone ele confessa que ao entrar no palco não tem mandinga, mas sempre ao estar no piano agradece a Deus pelo dom de tocar. Otimista, acredita que a música brasileira vai muito bem.

“O problema é o acesso à mídia, pois o que hoje está nela é a música imediata, a que logo deixa de existir e, com isso, perdemos a informação sobre a boa música”, alerta ele, fazendo comparações. “Tem gente que só usa acessórios que estão na moda, como uma determinada marca de calça ou tênis, por exemplo. Diferente destes, prefiro usar sandálias, porque o pé respira melhor”.

E assim ele segue seu caminhar musical. É entre uma turnê com Edu Lobo e outra com Paulinho da Viola que Cristovão vem para Florianópolis, onde se apresenta no Teatro Álvaro de Carvalho, em 14 de abril, como convidado do cantor e compositor Rodrigo Piva, que lança seu terceiro CD, Na Garganta do Artista.

Confira, abaixo, um rápido pingue-pongue com o músico.

Entrevista

 

Quinze dias antes do show Na Garganta do Artista, de Rodrigo Piva, a jornalista Duda Hamilton conversou, por telefone com o convidado especial pianista, arranjador e compositor, Cristovão Bastos. Durante a entrevista ele se deu conta que este ano completa 50 anos de profissão. Na bagagem, parcerias com Chico Buarque, Paulo César Pinheiro, Paulinho da Viola, Aldir Blanc, Abel Silva, além de Nana Caymmi, Gal Costa, Edu Lobo, entre muitos outros.

Como a música entrou na sua vida?

Quando eu tinha 7 anos e meu pais me levaram num show. Olhei para o acordeom e pedi para tocar aquele instrumento. Aos 13 anos me formei.

E como foi trocar o acordeom pelo piano?

Aos 17 anos eu tocava acordeom numa boate em Cascadura, no subúrbio do Rio. O proprietário queria um pianista, porque o que ele tinha ia embora, e foi assim que eu comecei a tocar piano.

 

O que é preciso para ser músico?

O cara só pode ser músico se for apaixonado por música. Se só gostar, continua gostando, mas faz outra coisa, tem outra profissão. Somos em 7 irmãos, todos musicais, mas só eu fui ser músico.

O que você considera o melhor na mpb?

O músico brasileiro tem um rico acervo e possibilidades diversas para trabalhar com o regional do Brasil. Temos vários estilos, várias nuances, isso é uma riqueza sem igual. E a música instrumental brasileira, que é muito mais conhecida e consumida fora do país, vai muito bem. O maior problema é que aqui eles querem saber quem é a melhor cantora ou o melhor cantor, sem levar em conta outros profissionais, como o arranjador, o melhor instrumentista e o melhor produtor.

E isto é a mídia quem faz?

Sim, é a mídia. Hoje, por exemplo, a música instrumental não tem acesso à mídia. O que está na mídia é o imediato, é a música que acaba logo e, com isso, perdemos a informação sobre a boa música.

É melhor compor, tocar ou fazer arranjos?

As três atividades são correlatas. Me sinto mais a vontade compondo e tocando piano, mas também gosto de escrever. Todo o arranjador é um compositor, faz variações musicais, mexe em harmonia, cria uma segunda melodia.

Palco ou estúdio?

Gosto do palco, ele é emocionante porque o que você faz, não se repete. É a grande diferença do estúdio, que é um educador, é uma maneira de descobrir erros e vícios. Já mudei muita coisa pelo fato de gravar e ouvir o que gravei muitas vezes.

Alguma mandinga ao subir ou descer do palco?

Quando estou ao piano agradeço sempre a Deus por ter me dado este dom de tocar, por me permitir fazer isso.

Share on Facebook
29 mar

Making Off – Fotos

Posted by piva Categories: Destaque, noticias

O Café da Corte, em São José, a praia de Itaguaçu e Santo Antonio de Lisboa, ambas em Florianópolis, foram as locações utilizadas para as fotos de divulgação do álbum Na Garganta do Artista, de Rodrigo Piva. No making of fotos de Bia Boleman e Pablo Corti.

Share on Facebook
 Page 2 of 2 « 1  2