Biografia

por Cibele Godoy
 

Foto: Bia Boleman1964. O ano manchado pelo Golpe Militar foi especial para a gaúcha Vera Regina Piva. A filha única do compositor Túlio Piva recebeu naquele ano, no dia 15 de março, em Porto Alegre, seu primeiro filho, Rodrigo, que seguiria os passos do avô sambista.

Aos 15 anos ele já acompanhava, ao lado do irmão Rogério  (na época, com 12), o avô Túlio em apresentações musicais e programas de rádio e TV em Porto Alegre, e em shows pelo interior do Estado. Embalado por composições lendárias que ficariam conhecidas na voz de Elis Regina, Elza Soares, Demônios da Garoa e Jair Rodrigues, o menino crescia e encontrava espaço, guiado pelo forte DNA musical dos Piva.

Nos anos 80, Rodrigo começa a carreira musical solo em festivais universitários e na movimentada noite porto-alegrense. Passou a tocar na casa noturna de Túlio, o Bar e Restaurante Gente da Noite – espaço consagrado, por dez anos consecutivos, como a melhor casa de samba da cidade, e passagem obrigatória para os artistas nacionais que se apresentavam na capital.

Em 1982, formou o grupo de choro Vibrações com Rogério Piva e os renomados instrumentistas gaúchos Jessé Silva e Lúcio do Cavaquinho. O grupo gravou, ao lado de Túlio Piva, o LP Sambas & Choros. Em 1987, Rodrigo se forma em Direito e decide atuar no ofício em paralelo à primeira escolha: a música, que nunca havia conseguido deixar de tocar e compor durante os estudos.

No início dos anos 90, Rodrigo é tomado por uma nova paixão:  transfere residência para Florianópolis, após ter sido aprovado em concurso público. A cidade que o inspira e que o adotou recebe mais dois “Pivas”: Cássia e Victor, seus filhos.

O primeiro “filho” musical nasce também em Floripa: o CD Contraste Brasil (1996), uma produção independente que reúne grandes nomes da música instrumental gaúcha. Em 2002, Rodrigo dá início à gravação de seu segundo CD solo, Menina de Floripa, com composições próprias e a participação de nomes como Guinha Ramires, Alessandro Bebê Kramer e dos paulistanos Arismar do Espírito Santo e Nailor Proveta Azevedo, da Banda Mantiqueira. Concluído em setembro de 2002, o trabalho é dedicado a Florianópolis, sua terra adotiva, e à filha Cássia, legítima manezinha que inspirou o poema de Luiz Carlos Lugon, parceiro de Rodrigo na música Menina de Floripa.

Rodrigo produz, em 2005, juntamente com Márcio Gobatto, o CD-Book Túlio Piva – Pra Ser Samba Brasileiro, um resgate musical e literário da obra de seu avô, com o patrocínio do Programa Petrobras Cultural 2004. Realiza, com esse projeto, o antigo sonho de resgatar a memória artística de Túlio, um grande sambista gaúcho. Antes disso (1996) já havia produzido o CD Túlio Piva – Composições Inéditas (Funproarte), que registra 14 obras inéditas de Túlio.

Em 2011, Rodrigo concebe seu terceiro disco, Na Garganta do Artista, e concilia sua grande paixão, a música, com o trabalho de analista judiciário do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina. Encontra inspiração no cotidiano, na cidade que escolheu para viver. E não tem jeito: o Rodrigo “guri”, que aprendeu a amar o samba com o avô, ressurge e toma conta da rotina do Rodrigo de agora, e dali saem as músicas do repertório bem brasileiro, fiel a essa paixão pelos acordes e melodias. Rodrigo não vive de música, mas precisa dela para viver.